• Biografias

    Amanda C. Rodrigues

    26 anos, mulher negra, umbandista, abolicionista penal e da periferia da Zona Leste de São Paulo. Graduanda em Sociologia e Política e pesquisadora na Iniciativa Negra por Uma Nova Política de Drogas. Parceira da Associação de Familiares e Amigos de Pessoas Presas (Amparar), da Frente Estadual pelo Desencarceramento de SP e da Agenda Nacional pelo Desencarceramento, também atua como articuladora política e comunicadora.

    Adriana Raquel Ferreira Costa Oliveira

     

    Assistente Social e mestra em Política Social. Especialista em Psicologia Social (UFMA) e em Direitos Humanos (UCB). Desde o final dos anos de 1990, atua na área da defesa e promoção de direitos humanos. Compôs organizações da sociedade civil nos estados do Maranhão, Goiás e no Distrito Federal. Assumiu consultoria junto ao Instituto Interamericano de Cooperação para Agricultura-IICA, para ações de formação de agentes de desenvolvimento territorial; coordenou programas de proteção; foi Conselheira Estadual de Direitos Humanos no Maranhão; esteve vinculada a órgãos públicos da esfera estadual (Secretaria Estadual de Direitos Humanos Maranhão – SEDIHPOP) e federal (Ministério de Desenvolvimento Agrário – MDA. Concluiu recentemente mandato de perita do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura – MNPCT). É associada à Rede Brasileira de Educação em Direitos Humanos e membro da Coalizão Nacional pela Socioeducação.

    Miriam Duarte Pereira

     

    Uma das fundadoras da AMPARAR – Associação de Familiares e Amigos/as de Presos/as. Pedagoga e mestranda em Gestão de Políticas Públicas na Universidade Federal do ABC (UFABC).

  • Adriane Ribeiro

    Advogada popular, coordenadora administrativa-financeira da Associação de Advogados/as de Trabalhadores/as Rurais na Bahia.

    Ana Luisa L. de A. Barreto

    Doutoranda em Direito Penal pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Mestra pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduada pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Integra o Grupo Clandestino de Estudos em Controle, Cidade e Prisões e o LabCap - Laboratório de Críticas e Alternativas à Prisão.

    Mônica Cunha

    Técnica em Educação social, colaboradora da Comissão de Direitos Humanos da ALERJ e coordenadora e fundadora do Movimento Moleque. Enquanto Movimento Moleque pertencemos à Coalizão Negra por direitos, ao Comitê de Prevenção ao Homicídio de Crianças e Adolescentes, à Rede Rio Criança, à Rede Nacional de Familiares de Vítimas do Terrorismo do Estado e ao Movimento Candelária.

  • Bárbara Guilherme Lopes

    Advogada, mestranda em Direito pela Universidade de Brasília, graduada pela Universidade Federal de Santa Maria. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa e Extensão Poder, Controle e Dano Social.

    Bruna Portella

     

    Coordenadora da área de Sistema de Justiça e Direitos do ISER, advogada, professora do Departamento de Direito da PUC-Rio e doutoranda na mesma instituição. Também é membro do Grupo Clandestino de Estudos em Controle, Cidade e Prisões e associada à AATR/BA.

    Mônica Teixeira

    Mãe de quatro filhos, diarista e provedora do lar. Sempre cuidou dos filhos com muito diálogo e fortaleceu para que estudassem, é uma grande lutadora que acompanha a filha que está privada de liberdade. Afirma sempre que ser mãe é ser psicóloga, médica, é oferecer suporte. Acredita que privar alguém de liberdade é como colocar um passarinho em uma gaiola, e que seu desafio de mãe é ajudar a criar algo de bom no meio de um lugar tão medonho, cuidando da sua saúde mental e da sua filha também.

  • Bruna Steffanni

     

    Professora da Universidade Estadual do Piauí. Doutoranda pela UnB. Articuladora Frente Estadual pelo Desencarceramento do Piauí.

    Célia Teixeira

    Funcionária Pública; graduada em Filosofia com especialização em Psicopedagogia; educadora popular em Saúde pela Fiocruz; defensora popular pela Defensoria Pública do Estado do Piauí; militante dos Movimentos Sociais (Comunitários,Saúde,Mulheres,Combate ao Racismo)Articuladora da Agenda Nacional pelo Desencarceramento e Frente Estadual pelo Desencarceramento do Piauí (Coletivo de Familiares de Presos do Piauí.)

    Monique Cruz

     

    Assistente Social, mestre e doutoranda vinculada ao PPGSS/UFRJ. Membro do Grupo de Pesquisa Sociabilidades Urbanas, Espaço Público e Mediação de Conflitos - Estado e Sociedade (GPSEM/PPGSS). Co-fundadora da Cátedra Internacional de Direito, Antirracismos e Racializações Esperança Garcia – CIDAREG, Pesquisadora da Justiça Global associada à ABPN.

  • Christiane Pinagé

    Mãe de sobrevivente do cárcere, membro da Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência e da Frente Estadual Pelo Desencarceramento RJ, cofundadora e vice-presidente da AFAPERJ- Associação dos Familiares e Amigos dos Presos e Egressos do Estado RJ.

    Dandara Rudsan

    Travesti negra, antipunitivista e antiproibicionista. Bacharela em Direito. Especialista em Diálogos e Mediação de conflitos. Articuladora da RENFA e Iniciativa Negra por uma Nova Política Sobre Drogas.

    Natália Damazio Pinto Ferreira

    Integrante do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Rio de Janeira, Doutora em Teoria do Estado e Direito Constitucional pela PUC-Rio e Mestre em Teoria e Filosofia do Direito pela UERJ. Atuou em diversas organizações governamentais, como Justiça Global, Instituto de Defensores de Direitos Humanos e ISER. Também é apoiadora da Frente Estadual pelo Desencarceramento do RJ e da Agenda Nacional pelo Desencarceramento. Pesquisa sistemas internacionais de proteção, feminismos, decolonialidade e prisões.

  • Daniel Fonseca Fernandes

    Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFCS/UFRJ). Mestre em Direito pela Universidade Federal da Bahia. Especialista em Ciências Criminais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Bacharel em Direito pela Universidade Federal da Bahia. Membro do Grupo Clandestino de Estudos em Controle, Cidade e Prisões. Membro do Núcleo de Estudos sobre Sanção Penal (NESP/UFBA).

     

    Deise Benedito

    Fundadora de Geledés Instituto da Mulher Negra. Foi membro da Fala Preta Organização de Mulheres Negras, Fundadora do Fórum Nacional de Mulheres Negras. Graduada em Direito- Espc Relações Étnico Raciais- Gênero Segurança Pública e Sistema Prisional. Foi Assessora Técnica da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos da Secretaria de Direitos Humanos - Diretoria do Departamento de Promoção e Defesa da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Ex-perita do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, vinculado ao Ministério de Direitos Humanos da Presidência da República. Atualmente é Assessora Técnica na Área de Segurança Pública e Direitos Humanos da Liderança do PSol na Câmara Federal dos Deputados. Mestre Direito e Criminologia- UnB - http://lattes.cnpq.br/8905060402730976)

     

    Nicole Bueno

     

    Bacharel em Direito e servidora da Ouvidoria Geral da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro.

  • Dênis Praça

    Defensor Público do Estado do Rio de Janeiro, titular do Núcleo do Sistema Penitenciário. Presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado do Rio de Janeiro (2006/2007). Subdefensor Público-Geral do Estado (2016/2018).

    Elaine Paixão

    Mulher, Negra, Mãe, graduanda em Direito, abolicionista, articuladora da Frente Estadual pelo desencarceramento Bahia e do Coletivo de Familiares de pessoas presas e presos da Bahia.

     

    Nina Barrouin

    Bacharela em Direito pela PUC-Rio com pesquisas vinculadas ao Grupo de Pesquisa em Estudos Ladino-Amefricanos e Afrodiaspóricos: Direito em Pretuguês e ao Núcleo de Direitos Humanos da PUC-Rio. Integra a Frente Estadual pelo Desencarceramento do Rio de Janeiro e a Agenda Nacional pelo Desencarceramento. É pesquisadora da área de Sistema de Justiça e Direitos do ISER e colaboradora do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Rio de Janeiro.

  • Eliene Vieira

    Articuladora da Frente Estadual pelo Desencarceramento/RJ; Agenda Nacional pelo Desencarceramento; Fórum social de Manguinhos; Pesquisadora no ISER. Ativista na defesa e garantia de direitos fundamentais, como a vida, a liberdade, a saúde e a segurança das pessoas, bem como o direito à defesa e ao justo julgamento a quem seja acusado de um crime. Defende o fim do sistema prisional por considerá-lo gerador de um sofrimento inútil e nocivo.

    Emilyn Natirrê dos Santos

    Graduanda em Direito pela PUC-SP, aluna integrante do grupo de Pesquisa "Impunidade Criminal", antiga estagiária do ITTC no programa Justiça Sem Muros e, atualmente, estagiária no escritório de advocacia multidisciplinar Muz Advogados.

    Pastor Edvandro Machado Cavalcante

    Bacharel em Teologia (Instituto Metodista Bennett – 20/12/1995). Bacharel em Direito (Instituto metodista Bennett – 20/12/2007). Pastor da Igreja Metodista (01/01/1994). Coordenador da Pastoral Carcerária da Igreja Metodista – 1º região Eclesiástica (01/01/2000). Secretário Executivo de Ação Social da Igreja Metodista – 1º região Eclesiástica (01/01/2010). Já foi membro do Conselho da Comunidade para a Execução Penal - Comarca do Rio de Janeiro (Publicado no DORJ-I – 10/03/2005 - Portaria N. 017/2005). Já foi Membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ (29/04/2005 a 31/12/2006 – Portaria N. 5824/2005).

  • Erivelto Melchiades

     

    Formado em Direito, Diretor da Rede Reforma e membro da Frente Estadual pelo Desencarceramento do Rio de Janeiro.

    Eveline Duarte

    Mulher preta, periférica, familiar de pessoa pessoa privada de liberdade, sobrevivente de situação de rua, articuladora da Agenda Nacional pelo Desencarceramento no DF, representada pela Frente Distrital pelo Desencarceramento, articuladora da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas, integrante da ONG Tulipas no Cerrado rede de redução de danos, fundadora do Coletivo Rosas no Deserto de familiares, egressas (os) e amigas (os) do sistema prisional DF e estudante de Direito.

    Patrícia de Oliveira da Silva

     

    Mulher negra e familiar de vítima de violência do Estado, com mais de duas décadas de trabalho junto a movimentos e organizações da sociedade civil, com papel fundamental na construção e efetivação de políticas públicas de direitos humanos em âmbito estadual e nacional. Cofundadora da Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência, articuladora da Agenda Nacional pelo Desencarceramento e da Frente Estadual pelo Desencarceramento do Rio de Janeiro. Patrícia teve atuação central para a criação do Núcleo de Direitos Humanos da Subprocuradoria de Direitos Humanos do Ministério Público do Rio de Janeiro, do Conselho Estadual de Diretos Humanos, da Rede Nacional de Mães e Familiares de Vítimas de Violência de Estado, bem como na implementação da Política Nacional de Combate e Prevenção à Tortura, do Mecanismo e do Comitê Estaduais de Combate e Prevenção à Tortura do Rio de Janeiro.

  • Fabiana da Silva

    Mulher, preta, favelada. Licenciatura plena em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - ProPED (UERJ). Idealizadora e Coordenadora Pedagógica da Associação Apadrinhe um Sorriso. Coordenadora de Mobilização da Associação Casa Fluminense. Conselheira de Direitos Humanos do estado do Rio de Janeiro.

    Fabiane Fonseca Freitas de Albuquerque

    Integrante da Frente Estadual pelo Desencarceramento-PI. Graduada em Direito pela Universidade Federal do Piauí. Especialista pela pós-graduação em Direitos Humanos Esperança Garcia da Faculdade Adelmar Rosado-FAR.

    Pedro Paulo Carriello

    Defensor Público do Estado do RJ, com atuação nos Tribunais Superiores.

  • Fabio Cascardo

    Advogado e mestre em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Trabalha como consultor jurídico do Instituto de Direitos Humanos da International Bar Association e é membro da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional do Rio de Janeiro, a qual representa junto ao Comitê Estadual para Prevenção e Combate à Tortura e ao Conselho Penitenciário do Estado do Rio de Janeiro. Integra também o Coletivo RJ Memória, Verdade, Justiça e Reparação.

    Fátima Pinho

    47 anos, uma das fundadoras do movimento Mães de Manguinhos. Luto pelo direito à vida, vai fazer 8 anos que estou nessa luta - conseguiu uma vitória branda, mas consegui. Independente do que seu filho era, nunca desista de lutar por ele. Mães guerreiras na luta por justiça e contra o genocídio. Um basta a violência!

    Priscila Oliveira

    Bacharelada em Ciências Sociais e Licenciada em História pela Fundação Getúlio Vargas. Possui experiência na área de Mobilização Comunitária e Direitos Humanos, tendo trabalhado na Ouvidoria da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro e na Casa Fluminense. É gestora de projetos na área de fortalecimento comunitário do ISER, onde executa o Trabalho Social em empreendimentos do Programa 'Minha Casa, Minha Vida'.

  • Fernanda Paes da Gama

    Formada em professora e estuda assistência social. Integrante do Movimento de Mães da Amar – RJ. Compõe o Comitê Estadual para a Prevenção e o Combate a Tortura. Dedica-se totalmente aos estudos, aos adolescentes apreendidos e auxílio aos familiares. A Amar cruzou a minha vida no momento da apreensão do meu filho, em 2020, e, desde então, luto com a dor vivenciada, incansavelmente, pela dignidade de todos privados de liberdade. Meu filho hoje se encontra em casa reconstruindo a vida dele, e eu, na luta diária pela dignidade dos adolescentes do socioeducativo. Acredito na mudança e luto para que isso seja projeto de vida de cada um desses adolescentes, uns com mais oportunidades e outros com menos, mas acima de tudo com a certeza que o caminho é o amor, família e respeito.

    Guilherme Gomes Ferreira

     

    Bacharel, mestre e doutor em Serviço Social pela PUCRS. Doutor em Serviço Social também pelo ISCTE-IUL. Especialista em saúde da família e comunidade pelo GHC. Ativista e assistente social voluntário na ONG Somos - Comunicação, Saúde e Sexualidade. Membro do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura e do Comitê Estadual Contra Tortura do RS. Professor do Departamento de Serviço Social da UFRGS. Tutor da Residência Multiprofissional em Saúde Mental Coletiva da UFRGS. Líder do JUDIS - Grupo de Estudos em Justiça, Direitos Humanos e Segurança da UFRGS.

    Raissa Belintani

    Ativista da Frente Estadual pelo Desencarceramento de São Paulo (FED/SP). Graduada em Direito pela Universidade de São Paulo (FD/USP) e Mestra em Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades pela Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). Advogada na Conectas Direitos Humanos. Tem experiência profissional, de pesquisa e consultoria nas seguintes áreas: justiça criminal, sistema penitenciário, estudos de gênero, direitos humanos e acesso à justiça.

  • Heloísa Freitas

    Cientista Social pela Universidade Federal de São Paulo. Realizou pesquisa que engloba os temas de migração, diásporas africanas e política migratória brasileira, especificamente as vivências de imigrantes congoleses na cidade de São Paulo. Pesquisadora e Assistente de Projetos Jr., vinculada ao Projeto Mulheres Migrantes no Instituto Terra, Trabalho e Cidadania. Possui experiência com atendimento de mulheres imigrantes em conflito com a lei, tendo sido estagiária do GT das Presas Estrangeiras da DPU e do Projeto Migrantes Egressas do ITTC. Também é produtora de conteúdos que envolvem os temas de gênero, encarceramento e migração, tendo publicado artigos e participado da produção de guias e manuais para o atendimento a migrantes em conflito com a lei.

    Hogo Alves da Silva

    Sobrevivente do sistema socioeducativo, jovem em luta por direitos. Acredita que o Estado tem que ser responsabilizado pela forma perversa que trata quem é negro e morador de favela. Tomar um tiro ou perder a liberdade não podem ser as únicas possibilidades que o Estado nos dá.

    Raissa Maia

    Mineira, advogada graduada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pós-graduada em Direitos Humanos pelo 'Ius Gentium Conimbrigae' (IGC) da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC), Portugal. Integrei a Comissão da Verdade 'Reitora Nadir Gouvêa Kfouri', onde realizei pesquisas sobre direito à verdade, à memória e à justiça das vítimas da ditadura. O combate ao encarceramento em massa de mulheres e a promoção da equidade de gênero são temáticas que me impulsionam.

  • Ionara Fernandes


    Assistente Social, Mestre e Doutora em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente é integrante do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Rio de Janeiro.

    Irmã Petra Silvia Pfaller

     

    Religiosa consagrada das Irmãs Missionárias de Cristo, alemã, advogada, coordenadora nacional da Pastoral Carcerária - Cnbb, Goiânia-GO.

    Reinaldo Teixeira da Conceição

    Jovem morador da Baixada Fluminense. Sobrevivente do cárcere e de outras violências sociais. Perdeu o emprego por conta da pandemia e luta por uma sobrevivência digna trabalhando como camelô, sempre em busca de dias melhores. Acredita que só a ampliação de oportunidades é capaz de melhorar a questão prisional.

  • Isabel Pereira


    Mestre em Direito Internacional e Direitos Humanos pela Universidade para a Paz (UPeace, Costa Rica), advogada formada pela PUC-RJ, atualmente coordena a área de Religião e Meio Ambiente do ISER, possui experiência no campo dos Direitos Humanos e Direito Humanitário tendo trabalhado na Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da ALERJ, no Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, no Comitê Internacional da Cruz Vermelha e na FASE.

    João Luis Silva

    Bacharelando em direito, mobilizador político, articulador social e membro da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

    Simone Schreiber

    Desembargadora Federal do TRF2. Associada à Associação Juízes para a Democracia. Professora de Direito Processual Penal da UNIRIO.

  • João Marcelo Dias

    Membro do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Rio de Janeiro. Historiador. Integra a Frente Estadual pelo Desencarceramento do Rio de Janeiro.

    Jordhanna Cavalcante

    Mestranda em Direito pela UnB; Pesquisadora vinculada ao Centro de Estudos em Desigualdade e Discriminação - CEDD/UnB, ao grupo Desigualdades e Crítica no Brasil Contemporâneo -DESCRIBA (SOL/ UnB) e ao Maré - Núcleo de Estudos e Pesquisa em Cultura Jurídica e Atlântico Negro (FD/UnB). Integrante da Frente Distrital pelo Desencarceramento.

    Valéria Gomes Oliveira

    Formação incompleta em Contabilidade. Diretora do Movimento de Mães da Amar – RJ. Compõe o Comitê Estadual para a Prevenção e o Combate a Tortura. Dedicação total e incansável desde 2001, por passar pela experiência de ter um filho apreendido no socioeducativo. O “não” não existe! Entrega total a causa exposta, sempre “guerreando” diante das dificuldades físicas e psicológicas que o movimento nos apresenta. Acredita na mudança dos adolescentes e não existe uma batalha perdida. Acredita que o caminho para a mudança está no amor, família e respeito. Luta pela dignidade no cumprimento da medida e pelo respeito com as famílias, adolescentes e unidades. Acredita que é possível a recuperação de todos, desde que saibamos explorar o interior de cada um.

  • José de Ribamar de Araújo e Silva

    Mestrando em Direitos Humanos e Cidadania (UnB); coordenador adjunto do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura; membro da Frente Distrital pelo Desencarceramento. Foi membro da pastoral carcerária, atuando no Carandiru (1986-1990); foi Ouvidor de Segurança Pública e do Sistema Penitenciário do Maranhão (2008-2012 e coordenador do Fórum Nacional de Ouvidores da Polícia (2010-2012), o qual representou na primeira gestão do Conselho Nacional de Segurança Pública (CONASP 2011-2012).

    Julia de David Chelotti

    Mestra em direito pela Universidade Federal de Santa Maria. Graduada em direito pela Universidade Franciscana. Analista Acadêmica no IDP Online. Pesquisadora do Grupo de pesquisa e extensão poder, controle e dano social.

    Vinícius de Assis Romão

    Doutorando e mestre em Direito Penal pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, especialista em Ciências Criminais pela PUC-MG e graduado em Direito pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente é coordenador do Grupo de Estudos Avançados "Pesquisa empírica nas ciências criminais" pelo IBCCRIM-RJ. Integra o Grupo Clandestino de Estudos em Controle, Cidade e Prisões e é associado ao IBCCRIM e IBADPP. Autor do livro: Entre a vida na rua e os encontros com a prisão: controle urbano e audiências de custódia, publicado pela editora Letramento.

  • Laura Barcellos de Valls

     

    Graduanda em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora do JUDIS - Grupo de Estudos em Justiça, Direitos Humanos e Segurança e do GEJUP - Grupo de Estudos em Juventudes e Políticas Públicas, ambos da UFRGS. Atua na CAPM/TJRS, vinculada especialmente à execução penal. Ativista na ONG Somos - Comunicação, Saúde e Sexualidade, em que atua no Núcleo de Justiça e no projeto Passagens: gênero, sexualidade e justiça criminal.

    <!--td {border: 1px solid #ccc;}br {mso-data-placement:same-cell;}-->Leiza Toledo

    Vendedora, mãe, guerreira que acompanha sua filha que está cumprindo pena. Enfrentou os meses de pandemia convivendo com a saudade e com o sofrimento e segue apoiando sua filha na caminhada até a liberdade, movida pelo amor de mãe.

    <!--td {border: 1px solid #ccc;}br {mso-data-placement:same-cell;}--><!--td {border: 1px solid #ccc;}br {mso-data-placement:same-cell;}-->Vitória Maria Corrêa Murta

     

    Graduanda em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, articuladora da Frente pelo Desencarceramento de Minas Gerais e da Agenda Nacional pelo Desencarceramento.

  • Lucas Vianna Matos

    Doutorando em Direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e graduado pela Universidade Federal da Bahia. Integra o Grupo Clandestino de Estudos em Controle, Cidade e Prisões e o LabCap - Laboratório de Críticas e Alternativas à Prisão.

    Mãe Flavia Pinto

    Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/1191261445206312

    Matriarca do terreiro Casa do Perdão. Possui graduação em Licenciatura em Ciências Sociais pela PUC-RIO (2013); pós-graduação em Política Pública Metropolitana, pela ENAP(2018); especialização em Políticas Públicas de Gênero na América Latina pelo IPPDH(2018); mestranda em Sociologia Política no IUPERJ(2019); extensão em Mercado de Trabalho e Direitos Humanos pela UFRJ (2017). Ex - coordenadora de Diversidade Religiosa da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos da Prefeitura do Rio de Janeiro(2018); coordenadora de Diversidades do Centro de Promoção de Liberdade Religiosa - CEPPLIR da SEASDH(2016). Ganhadora do Prêmio Nacional de Direitos Humanos (2011), entregue pela presidenta Dilma Rousseff; Prêmio de Cultura Heloneida Sudart, recebido pela ALERJ - (2015). Escritora, membro do Comité Nacional de Liberdade Religiosa(2015 a 2019). Palestrante e coordenadora de assistência religiosa no sistema prisional feminino (2004 a 2019).

    Viviane Balbuglio

    Ativista da Frente Estadual pelo Desencarceramento de São Paulo e apoiadora da AMPARAR - Associação de Familiares e Amigos/as de Presos/as. Mestra em Direito e Desenvolvimento pela Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas. Advogada graduada em Direito pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Tem experiência de atuação profissional e pesquisa com temas relacionados à justiça criminal, migrações, gênero e povos tradicionais.

    Todos os Posts
    ×